Vídeo

Fall Season, suas séries estreantes e suas resenhas!!!

Inhai queridas e queridos leitores, tudo bem? Ontem eu postei os lançamentos dos filmes no cinema, certo? Então pra quem tá com a grana curta, ou não tem paciência de ficar na fila pra comprar ingresso pode aproveitar o final de semana de outro jeito! Sabe como? Sabe como? Fazendo maratona das séries que acabaram de estrear, L-Ó-G-I-C-O!!! E o melhor de tudo, todas elas tem resenhas pra vocês!!! Vamos a nossa listinha tão famosa do blog? Vamos!!!

Já vou

  • Code Black:

Na história, quatro jovens médicos acabam de se unir à equipe de Pronto Socorro de um hospital em Los Angeles, o LA County Hospital. Lutando contra os problemas do sistema, eles tentam manter seus ideais intactos e ajudar seus pacientes. O título refere-se a um código utilizado nas salas de emergências quando um hospital está sobrecarregado de pacientes, sem chances de atender a todos.

Review: Nossa, parecia que estava vendo uma mistura de House, ER e Saving Hope… Tem drama, tem comédia, tem ironia, tem preocupação, atores maravilhosos, casos intrigantes e o melhor… Muito, mas muito sangue… Afinal não seria um seriado médico se não tivesse sangue, correto. Super indico essa série porque além de tudo, é bem rápida, não no sentido do tempo, pois tem duração de 43 minutos, mas no sentido de roteiro. Tudo acontece muito rápido… óbvio que vai entrar pra minha lista de séries, né? Como se eu não gostasse de séries médicas, haha…

  • Scream Queens:

A Universidade Wallace é abalada por uma série de assassinatos. A Kappa House, a fraternidade mais cobiçada do campus, é governada com mão de ferro (e luva cor-de-rosa) por sua Rainha Bitch Chanel Oberlin (Emma Roberts).
Quando a ex-Kappa Reitoria Munsch (Jamie Lee Curtis) decreta que todos os alunos do campus podem se inscrever para participar da fraternidade, a universidade vira um inferno, como um assassino vestido de diabo causando estragos, fazendo uma vítima a cada episódio.

Review: É uma série engraçada. Por vários motivos. Primeiro porque me lembra aqueles seriados dos anos 80 e 90, segundo porque é um humor negro onde não existe o politicamente correto, terceiro porque parece aqueles filmes dos anos 90 que sacaneavam filmes de terror, entende? Mais uma vez, Ryan Murphy cria algo inusitado e divertido ao mesmo tempo.

  • Blindspost:

Conta a história de um agente do FBI que, misteriosamente, se vê em meio a uma conspiração. A história começa quando uma pessoa, completamente sem memória, é encontrada nua no meio da Times Square, em Nova York, com o corpo coberto de tatuagens recentes. E uma dessas tatuagens é o nome do agente.

Review: Vocês já sabem que tenho uma enoooorme queda por séries policiais, certo? Então, Blindspot me convenceu no minuto em que ela descobre que sabe várias coisas, mas não sabe como ela sabe. O roteiro é bem estruturado e em alguns momentos me lembra um pouco de The Blacklist. Se vai pra minha lista? Óbvio, né? Rs

  • Limitless:

Brian Sinclair (Jake McDorman) tem contato com a droga revolucionária NZT, que lhe possibilita usar 100% do seu cérebro. Suas novas habilidades cognitivas chamam a atenção do FBI, que o recruta para resolver casos complexos ao lado da agente especial Rebecca Harris (Jennifer Carpenter). Sob efeito da droga, Brian Sinclair consegue um repentino sucesso financeiro e social, mas logo seu cérebro parece lhe enganar.

Review: Eu vi o filme e pra mim foi do tipo tanto faz como tanto fez, mas estou achando a série intrigante, especialmente por ter a participação recorrente de Bradley Cooper, o Eddie Morra, personagem principal do longa. Não está entre as minhas preferidas das que estrearam, mas vou dar um voto de confiança ao longo dos episódios, no estilo, vai que…

  • Heroes Reborn

Heroes retorna em uma minissérie de 13 capítulos. Os eventos começarão um ano após um ataque terrorista em Odessa, Texas. Esse ataque destruiu a cidade, e o governo culpou as pessoas com poderes extraordinários. Após isso, eles tiveram que viver escondidos para escapar dos mal intencionados. Dois heróis dessa nova temporada incluem Luke (Zachary Levi) e Joanne (Judith Shekoni). Eles perderam alguém importante nesse trágico evento, e buscam vingança.

Review: Só posso falar três coisas: Minha adolescência agradece! O episódio 00 achei bem aparado e foi no estilo de gravação que detesto, câmera suja, isto é, gravado com uma câmera sem tripé e também é conhecido como Falso Documentário ou Mocumentário ou Found Footage. Mas os próximos três episódios me remontou a uma época que não era tão fácil assim baixar as séries… Gostei muito de como os personagens novos foram apresentados e adorei a ideia de trazer alguns das temporadas passadas. Espero muito que essa season seja boa e que seja renovada!

  • Impastor:

Buddy Dobbs (Michael Rosenbaum) é um apostador que gosta de fumar maconha e se meteu em problemas quando pegou dinheiro emprestado com um agiota e, para fugir, rouba a identidade de um homem e acaba se passando por um pastor gay em uma pequena cidade nos Estados Unidos. Apesar do ímpeto de fugir com o dinheiro do pastor, Buddy tem um ataque de consciência quando percebe que as pessoas dali realmente gostam dele – e ele começa a gostar delas também.

Review: Ela não é uma estreia de Fall Season… Na verdade, ela estreou há um mês e a sua primeira temporada já chegou ao fim! Ela é um sitcom com 10 episódios. Quando comecei a assistir, eu pensei comigo, vou desistir logo.. Mas o Buddy foi me conquistando… É uma série leve, engraçada que trata de assuntos do cotidiano de forma natural, como homossexualismo, castidade até o casamento, vício de jogos. Enfim, é uma série leve que ajudou a passar o tempo enquanto as séries não voltavam. Super indico justamente por ser um seriado bem levinho!

Bem, galera, espero que vocês tenham gostado das minhas resenhas ao ponto de ficarem curiosos e baixarem as séries que estou indicando. Depois conta aqui nos comentários o que vocês acharam!

Um beijo dessa que vos escreve,

Assinatura Natalia Wilde

Anúncios
Vídeo

Maratona de novas séries com direito a resenha básica: de Stichers a The Ballers!

Inhai queridas e queridos leitores, tudo bem? Então, lembram que comentei com vocês que o mês de julho trouxe vááááárias séries novas? Então eu assisti a alguns episódios de algumas séries e venho falar o que eu achei!!! Assim vocês aproveitam e fazem uma maratona de séries e vêem se temos os mesmos gostos ou opiniões diferentes! Vamos a já famosa lista aqui do blog? Vaaaaaamos!!!

  • The Ballers:

Trata-se de uma dramédia que acompanha a rotina de vários atletas, tanto aposentados quanto aqueles que ainda estão na ativa, vivendo em Miami. Arielle Kebbel terá participação recorrente interpretando Tracy, uma jornalista esportiva que se envolve com o ex-atleta Spencer (Dwayne Johnson, conhecido como The Rock).

Review: Gostei bastante do estilo, é uma série que aborda realmente a vida desses jogadores tanto para o lado positivo, quando eles se esforçam pra treinar, quando ficam lesionados, quando se aposentam e para o negativo, quando festejam demais, traem suas esposas, bebem demais, se drogam, faltam treinos. A gente já teve filme falando sobre isso, mas não uma série, o que torna mais legal ainda. Fora que a trilha sonora está muito boa e tem o Dwayne como um dos atores principais. Para vocês terem uma ideia, a série é tão boa, que mesmo estando no início de sua primeira temporada, já foi confirmada uma segunda season, tanto que a atriz Arielle Kebbel, que também está na série e já fez participação especial em The Vampire Diares, confirmou essa notícia através de sua conta no Instagram.

Opinião Final: Vou continuar assistindo e ver no que vai ser essa primeira temporada.

  • Stichers:

Uma jovem é recrutada por uma agência secreta do governo para ser “conectada” às mentes de pessoas falecidas recentemente, a fim de usar suas memórias para investigar assassinatos.

Review: Embora o roteiro seja bem viajado, tenho gostado bastante do suspense que ronda a morte de Ed, pai adotivo de baba, personagem central da história. E como vocês já estão cansados de saber, eu adoro uma série policial que envolvam inteligências secretas e teorias para o bem da segurança nacional. Bhaha pode até parecer um robô a principio, mas tenho certeza que isso é proposital, afinal ela não consegue expressar sentimentos, tanto que ao longo dos episódios, ela vai se soltando e se humanizando um pouco mais.

Opinião Final: Já estou acompanhando a série fielmente e espero que dure pelo menos mais duas temporadas!

  • The Astronaut Wives Club:

A história é situada na década de 1960 e acompanha a vida das esposas dos astronautas que trabalham na NASA, durante o período da corrida espacial. Entre elas, Betty Grissom (JoAnna Garcia Swisher, de Animal Practice e Better With You), esposa de Gus (Joel Johnstone, de Getting On US), com quem tem um filho que ela criou sozinha enquanto o marido estava na guerra. Apavorada com a possibilidade de que Gus possa morrer durante a realização de suas missões no espaço, Betty se torna uma pessoa nervosa; Annie (Azure Parsons, de Salem), esposa do astronauta John Glenn (Sam Reid). Os dois se conheceram quando ainda eram crianças, época em que tocavam na banda da escola; Jo (Zoe Boyle, de Breathless, Downton Abbey), esposa de Wally Schirra (Aaron McCusker, de Fortitude e Shameless UK), o quinto astronauta americano a ser enviado ao espaço; Trudy (Odette Annable, de House), esposa de Leroy Gordon Cooper Jr. (Brett Harrison, de Reaper e Breaking In), mais conhecido como Gordon Cooper. Piloto habilitada, Trudy é uma mulher que sonha em seguir uma carreira e não ser apenas a esposa de alguém; Marjorie Lunney (Erin Cummings, de Spartacus), mais conhecida como Marge, a mulher de Deke Slayton (Kenneth Mitchell, de Jericho e Switched at Birth) que se torna a responsável por manter as demais esposas unidas diante das incertezas do futuro; Louise (Dominique McElligott, de Hell on Wheels), esposa de Alan Shepard (Desmond Harrington, de Dexter), o primeiro americano no espaço; e Rene (Yvonne Strahovski, de Chuck, Dexter, 24 Horas), mulher que se interessa por política e os direitos civis, casada com Scott Carpenter (Wilson Bethel, de Hart of Dixie), com quem tem quatro filhos.

Review: Adorei o roteiro e a ideia de mostrar o papel das mulheres nas vidas desses homens e fazer valer o ditado que “atrás de um grande homem, há sempre uma grande mulher”. É um roteiro novo, duas coisas que não temos o hábito de ver: séries que se passam nos anos 50/60 e que mostrem a perspectiva feminina sobre determinado acontecimento. Além do mais, a escolha do elenco está sensacional, a fotografia está de parabéns e as doses de humor misturas as doses de drama estão na medida certa.

Opinião Final: Como gostei muito desses primeiros episódios, vou continuar assistindo e espero que tenha pelo menos mais uma temporada.

  • Scream:

O que começou como um vídeo viral no Youtube, logo se torna um problema para os adolescentes de Lakewood e serve de catalisador para o assassinato que abre a janela de problemas passados da cidade.

Review: A ideia é a mesma, um perturbado stalker que liga para a mulher que ele quer atentar o juízo, mas os personagens são um pouco mais diferentes. A clássica história que se passam uns anos e a personagem tem uma filha e a filha passa a ser assediada pelos fantasmas do passado da mãe. Isso nem é novidade e nem me chamou atenção, mas gostei bastante para chamar atenção do cyberbulling e as consequências que o uso excessivo da Internet e das redes sociais trazem para a vida desses adolescentes.

Opinião Final: Como gostei muito desse aspecto da geração Z com o uso das redes sociais, vou continuar assistindo. Pelo menos de quebra, ainda vejo um maníaco atacando, haha. Calma não sou louca, mas gostei da homenagem que fizeram a saga do filme Pânico que marcou a minha geração.

Deixe aqui nos comentários quais as séries que você vai assistir ou jpa assistiu e qual sua opinião sobre ela!!!

Um beijo dessa que vos escreve,

IMG_1722