Vídeo

Narrativa Transmidiática em séries e filmes!

Olá queridas e queridos leitores!!! Vocês conhecem o termo Transmídia? A narrativa transmídia, ou transmedia em inglês são histórias que vão além do meio de comunicação para o qual foram inicialmente contadas, como a trama de um filme ou de uma série que possa continuar no rádio, no jornal, em um blog, numa música, em intervenções urbanas e até mesmo em um SMS. Ai vocês me perguntam: O que isso tem a ver com o blog, Natty? Tudoooooooooo e vou explicar, rs.

O termo foi apresentado por Henry Jenkins, professor de Jornalismo, Comunicação e Cinema da University of Southern California e ex-Diretor do Programa de Estudos de Mídia Comparada do MIT (Massachussets Institute of Technology), em seu livro Cultura da Convergência (São Paulo, Aleph, 2008). A narrativa não se resume a um meio específico, ela começa em uma mídia e percorre para outras, fazendo com que o conteúdo nessas diferentes plataformas conversem entre si mesmo que tenham linguagens diferentes.

Transmedia permite que os fãs interajam com as histórias, com os personagens e uns com os outro. De acordo com Wikipedia, essas transformações incluem o spoiling (quando grupos se organizam para desvendar informações sobre filmes ou programas que ainda não foram exibidos), o fanfiction (histórias criadas por fãs utilizandos seus personagens prediletos de filmes, programas de TV, livros populares), o bloguismo (publicações alternativas na internet, em resposta a publicações geradas por meios de comunicação comerciais), entre outros hábitos e fenômenos que se surgiram ou se intensificaram principalmente após a expansão dos usos da internet. Todos eles são aproveitados no consumo e criação de narrativas transmídiaticas, e são hábitos característicos do perfil dos consumidores contemporâneos de entretenimento.

São vários os exemplos, mas destaco aqui 6 cases que criaram um buzz e foram assuntos em muitos veículos de mídia:

  • Lost – Lost Experience:

A série Lost foi ao ar em 2004 e teve seu fim no ano de 2010 com 6 temporadas. O último capítulo da série, intitulado de The End, com duas horas e meia de duração, foi exibido  no canal a cabo AXN. surgiram diversos sites e blogs em que fãs conversavam, constroiam teorias, discutiam ideias e trocavam informações. O seriado se desdobrou em produtos como livros, jogos, episódios para celular, entre outros e para completar, surgiram iniciativas como a enciclopédia sobre a série, Lostpedia, e o LostMaps, um mapa do Google Maps que apontava a localização dos acontecimentos.

A Experiência Lost, foi o primeiro jogo de realidade alternativa (ARG – Alternative Reality Game) desenvolvido pelos escritores e produtores de Lost para os fãs participarem e para expandir o enredo. O jogo foi co-desenvolvido por três redes de televisão, a Americana ABC, a Australiana Canal 7 e a Inglesa Canal 4. Foi um jogo baseado em internet e caracterizado por um enredo paralelo que não fazia parte do enredo atual da série de televisão e não haviam prêmios, mas o jogo dizia oferecer pistas que poderiam desvendar alguns dos grandes mistérios da Ilha. As dicas variavam por continente, então, os participantes tinham que coordenar as informações via internet.

  • The Walking Dead:

Desde 2011, o canal AMC também produz um talk show de 30 minutos, apresentado pelo comediante Chris Hardwick, Talking Dead, funciona como uma extensão da série e conta com a participação do elenco, dos fãs e dos membros da produção. Além disso, ainda tem o The Walking Dead Story Sync, uma segunda tela via dispositivos móveis (tablets e celulares), que proporciona aos usuários, a possibilidade de comentar e interagir com os outros telespectadores sobre os episódios, ao mesmo tempo em que é transmitido. Ainda conta com um social game no Facebook, que foi lançado junto a terceira temporada.

Para as plataformas de iPhone e iPad, existe um outro game The Walking Dead: The Game e em 2012 foram baixados 8.5 milhões de downloads e considerado o jogo do ano pela mídia especializada. Os fãs também são contemplados com  Ultimate Fan Game, um jogo personalizado, disponível no site, que convida os usuários digitais a responder quizzes. E offline há intervenções urbanas a cada início de temporada.

  • Game Of Thrones – Cinco Sentidos:

O projeto transmídia desenvolvido pela empresa Campfire para a primeira temporada da série pela HBO com o intuito de divulgação, visto que os fãs só conheciam a saga de livros A song of Ice and Fire , de autoria de George Martin. A narrativa deu-se  de diferentes modos de experimentação do usuário com o conteúdo, focado nos cinco sentidos da percepção humana: olfato, tato, paladar, audição e visão.

O primeiro experimento envolvia o sentido do olfato: caixas aromáticas foram enviadas a personalidades e blogueiros com alto poder de divulgação de informações. Nessas caixas continham um mapa de Westeros (centro dos acontecimentos do mundo diegético da narrativa do seriado), frascos de vidro com aromas diferentes e pergaminhos com instruções de combinação. Como presente, um vídeo do personagem Jon dando à personagem Arya sua espada. A segunda experimentação envolvia o sentido da audição: dentro do jogo online, o usuário tinha que decifrar conversas e como recompensa outro vídeo era liberado. Já para a terceira experiência focada na visão: o usuário do jogo tinha que visualizar dentro do universo do game a presença de invasores e dar alarme quando eles chegarem por perto e adivinha: mais um clipe era dado como recompensa. Enquanto que no quarto sentido: o tato pois através de um aplicativo disponibilizado para o iPhone, era possível cruzar os dados de servidores de divulgação de dados meteorológicos com as informações de referência de localização pelo GPS do aparelho e comparar o clima da cidade de cada pessoa com o de partes do universo da trama da série. Por último, o quinto experimento envolvia a degustação (paladar) de comidas típicas do mundo construído de Game of Thrones, realizadas em Nova York e Londres.

  • Alice no País das Maravilhas de Tim Burton:

Em junho de 2009, as primeiras fotos do filme “vazaram na web”; em julho, foi a vez do trailer e, em setembro, imagens do set. A partir daí uma sucessão de estratégias em diferentes meios:

1 – O press kit entregue a jornalistas e blogueiros foi um livro personalizado com a história e dentro dele um livro menor, e ainda outro, até encontrar uma chave pequena com a USB que trazia informações e cenas especiais;

2 – Utilizando a técnica Flashmob, a ação chamada Tea Party trouxe dezenas de bailarinos fantasiados como personagens de Alice, que “invadiram” a feira Magic Marketplace (importante evento de moda);

3 – Na televisão aberta, a Disney reservou um dos milionários espaços publicitários: final do Super Bowl;

4 – O diretor do filme concedeu entrevista exclusiva via livestream no MySpace o que atraiu mais de 400 mil espectadores;

5- Alice no País das Maravilhas disponibilizou um mobile game para Iphone e é claro que também foi lançado um para Nintendo DS e Wii;

6 – A página oficial no Facebook foi a primeira a divulgar os pôsteres do filme, trailer, jogos e aplicativos como o do Chapeleiro Maluco;

7 – A sessão de premiére mundial foi transmitida ao vivo no Facebook;

As ações de divulgação da Disney desencadearam muitas outras manifestações não-oficiais, como exposições e eventos temáticos e o retorno ao grande investimento feito foi tão grande que Alice quebrou recordes e superou Avatar, atingindo U$ 210,3 milhões no primeiro fim de semana.

  • Batman O Cavalheiro das Trevas – Why So Serious:

Warner Bros e a 42 Entertainment criaram um jogo de realidade alternativa (ARG) e conseguiram fazer com que um filme que já era esperado por muitos, se tornasse um evento que duraria de março de 2007 até julho de 2008 quando o filme foi lançado. Todos os sites do filme, sejam os virais ou o oficial haviam sido coringados. Em alguns sites, surgiu uma peça de quebra-cabeça com uma letra, e ao juntar todas as letras dos sites, e arrumá-las surgiu o Why So Serious/Kickingandscreening. Nesse site foram distribuidos ingressos para sessões em IMAX nos EUA do filme.

  • The Hobbit A Batalha dos Cinco Exércitos – Google Earth:

Para o lançamento do filme The Hobbit, a agência suiça North Kingdom criou juntamente com o Google, um mapa de toda a Terra Média onde era possível interagir com ogros, anões, duendes e seguir alguns dos personagens favoritos como Bilbo Baggins, Gandalf e Aragorn.

Deixe um comentário caso eu tenha esquecido algum outro case. Fiquem a vontade!

Por hoje é só!!!

Até a próxima!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: